Bem Vindo!

CONHECENDO E CULTIVANDO

 

 
 

Situando as Orquídeas
As orquídeas pertencem a maior família florífera do reino vegetal. E para facilitar a compreensão das características individuais de cada um dos exemplares elas são organizadas em grupos menores denominados "gêneros". Atualmente há mais de 1800 gêneros de orquídeas e cada um pode possuir centenas de espécies em seu agrupamento.

Há algo em torno de 35.000 espécies naturais(aquela que Deus nos deu) espalhadas pelos quatro cantos mundo. E o homem, por intermédio de cruzamentos já criou mais de 120.000 híbridos!

As orquídeas mais populares são dos gêneros (C) Cattleya, (L) Laelia (lê-se Lélia), (Onc) Oncidium (as espécies mais conhecidas deste gênero é a Orquídea Chuva de ouro - Onc. Aloha, por exemplo e a Orquídea Chocolate - Onc. Sharry Baby), (Milt) Miltônia (Den) Dendrobium, (V) Vanda, Phalaesnopsis (lê-se Falenópsis), (Paph) Paphiopedilum, conhecido como sapatinho (lê-se pafiopédilum).
 

 
 
Nomes das Orquídeas
Os nomes das orquídeas são dados em latim ou grego clássicos, línguas mortas, para que sejam os mesmos no mundo inteiro e nenhuma língua viva prevaleça sobre a outra. Assim, costumam oferecer algumas dificuldades na escrita na pronúncia.

Abaixo, citamos alguns nomes apenas por referência, mas o mais importante é não se assustar ou rejeitar os nomes. Veja, a medida que o tempo passar estes nomes se tornarão habituais para você assim como nomes de raças de cachorro. E o objetivo principal de conhecer estes nomes é facilitar a busca de informação sobre o seu exemplar. Então, em pouco tempo, você conseguirá visualizar mentalmente uma Laelia purpurata - por exemplo - tanto quanto consegue fazer quando alguem fala de um pastor alemão ou um poodle pra você.

Exemplos de nomes: Laelia purpurata, Cattleya labiata, Coelogyne flacida, Oncidium Twinkle, etc...
Note que estamos tratando de "nomes compostos", onde o primeiro nome indica o gênero (ex.: Laelia, Cattleya, Coelogyne, Oncidium, etc...) e o segundo a espécie propriamente dita.
 

 
 
Classificação por Habitat
De acordo com o lugar no seu habitat de origem, as orquídeas são classificadas como Epífitas, Terrestres ou Rupícolas. 

EPÍFITAS, a maior parte das orquídeas, vivem grudadas em troncos de árvores, mas não são parasitas, pois realizam a fotossíntese a partir de nutrientes absorvidos pelo ar e pela chuva. Portanto, ao contrário do que se pensa, não sugam a seiva da árvore. 

TERRESTRES, vivem como plantas comuns na terra. Ex.: Paphiopedium, Arundina, Neobenthamia, Bletia, embora aceitem o plantio em em substratos desfibrados. 

RUPÍCOLAS, são as que vivem sobre rochas, fixadas nos liquens das fendas. Ex.: Laelia flava.

 
 
Temperatura
Embora a maioria das orquídeas se adaptem bem a temperaturas entre 15 e 25 graus centígrados, há orquídeas que suportam temperaturas fora desta faixa (maiores e menores).
O mais importante neste quisito é adquirir orquídeas que se adaptem ao clima onde serão cultivadas. Evitar a compra por impulso é muito importante, pois assim, evitamos enfrentar situações de estresse com plantas que não se adaptarão ao seu cultivo.
Em geral, plantas de clima mais quente se adaptam mais facilmente a lugares frios que o inverso.
 

 
 
Água e Umidade
É desejavel que a umidade relativa do ar (quantidade de vapor d’água existente na atmosfera) não esteja abaixo de 30%, pois isto possibilita a desidratação das plantas. 

Em dias quentes, a umidade relativa do ar é menor, por isso é necessário manter o ambiente úmido e molhar não apenas a planta, mas também o próprio ambiente. 
 

 
 
Quantas vezes por semana eu devo molhar as minhas orquídeas?
Certamente esta é a pergunta mais frequente que ouvimos... mas ela está ligeiramente equivocada. A questão não é "quantas vezes por semana", mas "em que momento", ou seja, precisamos saber como identificar o momento adequado para regar nossas orquídeas.
 
Embora existam excessões, a maioria das orquídeas só deve ser regada quando o vaso estiver efetivamente seco. E como a variação climatica influencia na velocidade que o material em que sua orquídea está plantada seca, você precisa desenvolver a habilidade de identificar o momento em que os vasos estão secos e então molha-la ambundantemente. Não há restrições quanto a quantidade de água ofertada neste momento... a sua orquídea pode ser molhada ambundantemente, mas este procedimento só será repetido quando o vaso secar novamente.
 

 
 
Luminosidade
As orquídeas, como praticamente todas as plantas, realizam para se desenvolver um procedimento denominado fotosíntese, no qual utilizam a luz para sintetizar e aproveitar os nutrientes absorvidos por suas raízes e/ou folhas. 

Luz é essencial e cada espécie têm uma necessidade... é possível cultivar a maioria das orquídeas sob um sombreamento entre 50 e 70% e isso pode ser obtido de diversas formas diferentes, como em baixo de árvores, varandas, áreas de serviço, ou mesmo telas apropriadas para o sombreamento.

Existem orquídeas que exigem mais sombra: é caso por exemplo, das microorquídeas, do Paphiopedilum, Miltonias colombianas, Phalaenopsis, etc... é importante colher estas informações no momento da aquisição de suas plantas.

Há as que exigem sol direto, como a Vanda teres e Renanthera coccinea, etc... Se estas plantas forem submetidas a algum nível de sombreamento, podem crescer vigorosamente, mas dificilmente irão florir.

 

 
 
 
Ventilação
Na natureza as orquídeas ocorrem quase sempre em ambientes bem arejados e ventilados. Estas condições devem ser mantidas em cultivo. 

Em ambientes mal ventilados as plantas demoram muito a secar entre uma rega e outra e podem apodrecer. 

Além disso, em ambientes mal ventilados facilitam o desenvolvimento de pragas como fungos, bactérias e mesmo insetos. 

Introduzir espaços entre uma planta e outra também ajuda na ventilação.
Mas, lembre-se, a maioria das orquídeas também não aprecia correntes de vento constantes.
 

 
 
Adubação
As orquídeas necessitam  de "alimento" como qualquer outro planta. 

O hábito de adubar as orquídeas, na verdade se trata de uma evolução do orquidófilo, uma vez que a maioria das pessoas que adquire uma planta, no máximo se preocupam em rega-la apropriadamente.

Mas, sem sombra de dúvidas, não é só uma evolução, como um passo muito importante para o desenvolvimento da mesma, uma vez que submetida a cultivo as opções para obtenção de nutrientes como faz na natureza se restringe muito. E não fornecer adubação adequada reduz ou elimina a possibilidade de um bom desenvolvimento.

Em nosso orquidário, realizamos e recomendamos a manutenção da adubação quinzenal se for soluvel em água (inorganica) e no inicio de cada estação do ano para adubação Orgânica.

 

Floração
De um modo geral, cada espécie tem sua época de floração que é uma vez por ano. 

Convém marcar a época de floração de cada espécie e examina-las periodicamente, pois caso não floresçam nessa época, você poderá detectar que algo de errado poderá estar acontecendo com a planta e tomar providências.